24 de set de 2010

Barulho de crianças é uma das principais reclamações em prédios

O barulho feito pelas crianças é um dos temas recorrentes em um condomínio na Vila Andrade, Zona Sul da capital paulista. O engenheiro mecânico Plínio Monteiro sofre com a bagunça feita pelos moradores mirins nas áreas comuns do prédio. De acordo com ele, todos os dias, principalmente durante os finais de semana, a criançada desce para brincar na área de lazer e começa a gritaria.
Conte o que está acontecendo no seu prédio: problemas, soluções criativas e casos inusitados. As melhores histórias você vai ver no SPTV 1ª Edição.
Plínio mora há seis anos no primeiro andar, perto do parquinho e da quadra. Ele, que trabalha em casa, não sabe mais o que fazer e até já pensou em colocar janelas anti-ruído. “É um direito brincar, não tiro esse direito. Mas eu acho que da mesma maneira que elas têm o direito de brincar, eu tenho o direito de colher a minha paz”, reclama.
Para tentar resolver o problema, o engenheiro mecânico reclamou bastante com as crianças, com os pais, com o síndico e até com administradora do condomínio e, graças ao síndico, a situação está sendo controlada. “Acho que é fundamental a gente integrar as partes”, comenta o síndico Júlio César Mota de Araújo.
Araújo adota, como primeira medida, a conversa. Se não adiantar, o condomínio envia até três advertências. Em casos extremos, os pais são multados em R$ 700. De acordo com o síndico, o maior problema do prédio é, de fato, o barulho. Contudo, há muita dificuldade para negociar com os pais das crianças, pois eles se sentem “ofendidos” com a reclamação.
Fonte: G1

20 de set de 2010

ADMINISTRAÇÃO / SÍNDICO

- A seleção de pessoal doméstico e do condomínio deve ser rigorosa, com pesquisa da vida pregressa dos candidatos e verificação criteriosa das fontes de referência. Dar preferência para os que possuam cursos de formação e treinamento;

- Orientar adequadamente porteiros, zelador e funcionários em geral. O pessoal de zeladoria, principalmente aqueles que desempenham funções na portaria do prédio, devem ser alertados para os diferentes disfarces e formas de execução usadas pelos bandidos e devem estar capacitados para tomar providências urgentes quando necessário

- Cadastrar todos os condôminos com dados pessoais, dos veículos e até de parentes próximos, para uso em caso de emergência;

- Estabelecer o sistema de identificação com crachá para todos os visitantes, com assinatura do condômino visitado;

- Acompanhar o andamento de todos os trabalhos realizados no edifício. Em caso de obras no condomínio, contratar uma empreiteira, identificando os funcionários que serão alocados, antes do começo da obra. Exigir o uso de crachá com foto e, antes da obra, orientar porteiros e zelador a só deixar entrar os funcionários que foram identificados previamente pela empreiteira;

- Realizar a reciclagem e treinamento periódico de seus funcionários com foco na segurança do condomínio.

- Desenvolver reuniões periódicas com os condôminos a fim de despertar a consciência para a segurança de todos;

- Dar o mesmo treinamento de segurança aos funcionários que possam vir a substituir, mesmo que temporariamente, o porteiro. Assaltantes já têm explorado estas ''brechas'': entrar em momentos em que percebem funcionários que não os porteiros na guarita.

- Treinar perfeitamente os funcionários para o uso dos equipamentos e sistemas de segurança. Muitos condomínios desperdiçam dinheiro em equipamentos que os empregados não sabem utilizar corretamente.

- Sugere-se a instalação, na entrada do condomínio, de caixa ou abertura para encomendas, evitando a entrada do entregador;

- Deixar o aparelho de gravação de fitas do circuito fechado de tv em uma sala trancada, da qual os funcionários não tenham a chave. Já ocorreram vários assaltos em que os ladrões fizeram o zelador ou o porteiro entregar a fita de gravação.

- Sempre atualizar procedimentos de segurança, porque métodos criminosos mudam, se adequam às medidas de segurança dos condomínios. Portanto, mesmo instalado um sistema de segurança, com equipamentos, procedimentos e infra-estrutura, o condomínio não deve nunca se acomodar. A revisão desses tópicos precisa ser permanente.

- Responsabilidade do condomínio: em roubos a apartamentos, o condomínio só é responsável se houver serviço de vigilância e for comprovada negligência.

Fonte: Secretaria de Segurança Pública-SP e SíndicoNet

A segurança do condomínio depende de todos

A segurança do condomínio depende de todos: "A segurança do condomínio depende de todos
Cuidados essenciais para para não correr riscos
A Segurança do condomínio é respinsabilidade não só do síndico, mas de todos os moradores. Abaixo, aprenda como proteger a você, sua família e seus vizinhos.
Alguns moradores são capazes de reclamar de um porteiro que interfonou para anunciar uma visita. Mas se esquecem de que o funcionário está realizando seu trabalho, já que todos devem ser identificados e anunciados antes de subir à qualquer unidade. Esta atitude, em vez de reclamação, deveria receber elogios, já que muitas vezes assaltantes conseguem entrar nos condomínios assim, aproveitando da falta de preparo de funcionários.

Outra medida bastante eficaz tomada pelos condôminos é informar ao porteiro cada vez que estiverem esperando o restaurante, a farmácia ou qualquer outro tipo de fornecedor. Alerte a portaria para que receba as encomendas feitas e peça que o avise para que vá atender o entregador na recepção. Evite deixá-lo subir, pois estará se ambientando com o edifício e vislumbrando a sua casa. Porém, se o entregador subir ao apartamento, o ideal é que o morador informe pelo interfone logo que a entrega tenha sido feita, para que o porteiro controle o tempo de permanência do portador no prédio. Isso facilita o trabalho do porteiro e ajuda na segurança de todos.

Não é recomendável deixar as chaves do apartamento na portaria: em caso de assalto, aquele certamente será um apartamento saqueado. Caso não haja outra alternativa, aconselha-se deixar as chaves com o vizinho, e os cômodos que não serão utilizados trancados.

É importante também que moradores e funcionários combinem uma senha, a ser mudada regularmente, para que em casos de perigo a mesma seja usada. Presentes chegados de surpresa também devem ter um cuidado especial. Devem ficar retidos na portaria, não permitindo que o entregador suba para levar pessoalmente. Depois, ou o morador desce para buscar ou um funcionário entrega na unidade.

O morador, quando receber uma chamada da portaria, deve se certificar de que o assunto realmente é com ele, para então depois descer. Não há necessidade de se expor desnecessariamente.

Ao chegar de carro ao prédio, e perceber pessoas estranhas ao redor, dê voltas com o carro até se certificar de que as mesmas não estão mais por ali. Muitos assaltos são praticados desta forma: espera-se que um morador encoste com o carro e, antes mesmo do portão se abrir, o motorista é rendido.

É de extrema importância que a boa aparência de alguém não influencie nas regras básicas de segurança. Nem sempre quem está bem vestido é mais honesto que outro mal vestido. Não se esqueça de que as aparências enganam.

Moradores devem evitar comentários sobre seus bens e ganhos na frente de funcionários, e pedir aos mesmos que não comentem seus hábitos com amigos - mesmo que sejam porteiros da redondeza.

Nem mesmo a garagem do condomínio é totalmente segura. Todos já ouviram falar em casos de furtos nas garagens. Portanto, feche sempre seu carro, acione o alarme, e nunca deixe embrulhos à vista. Evite deixar a chave com porteiro e, nos casos de necessidade, faça um seguro específico contra acidentes e furtos na garagem.

Os síndicos devem ter cuidados também na hora de contratar os funcionários do edifício. Nem sempre 'ser amigo da empregada do 402' é garantia de um funcionário confiável.

Os candidatos nunca devem ser atendidos no apartamento, e sim na portaria. Todos os documentos devem ser exigidos (antes de iniciar o trabalho) e referências sobre empregos anteriores são fundamentais. Enfim, todos devem ter consciência de suas funções, sejam funcionários, moradores ou visitantes. E se o assalto acontecer, ninguém deve reagir, afinal muitas vidas estarão em jogo. Procure apenas guardar as características dos assaltantes, como cor, altura, cabelos, modo de falar, marcas no corpo e até possíveis apelidos. Isto ajudará o trabalho da polícia.

Eramir Russo
fonte: http://www.tudosobreimoveis.com.br

15 de set de 2010

Momento propício para realização de assembleias

Nos três primeiros meses do ano é bastante comum a realização de Assembleia Geral Ordinária, convocada pelo próprio síndico ou por um quarto dos condôminos, como determina a maioria das convenções de condomínio.

É nessa oportunidade que os moradores discutem despesas atuais e futuras, cortes e aprovação de gastos extras. Além disso, é nessa reunião que se elege um novo síndico ou se reelege o atual. Os encontros são propícios para discutir desde previsões orçamentárias, que geralmente contemplam verba específica para manutenção de playground, quadras poliesportivas, aparelhos de ginástica, churrasqueira e outros equipamentos; até previsão financeira ou despesas ordinárias.

Podem ser analisados ainda itens como mão de obra, encargos, impostos e taxas, contas de consumo, contratos de conservação e manutenção, seguros obrigatórios, despesas de expediente, materiais diversos, honorários de administradora e fundo de reserva, entre os mais comuns.

A convocação deve ser realizada em tempo hábil. Um informativo precisa ser enviada a todos os moradores e aos proprietários que residem em outras localidades, constando data, horário, local e assuntos que serão discutidos. No caso de inquilinos, vale lembrar que eles devem ser convocados, mas que somente poderão votar se o proprietário não comparecer na reunião ou abrir mão do seu voto. Os inquilinos também só estão autorizados a votar se não houver débitos relativos as taxas condominiais e se os assuntos estiverem relacionados as despesas ordinárias (limpeza, manutenção e conservação do condomínio, salários e encargos dos funcionários e seguro da edificação, por exemplo).
Condômino inadimplente

No que diz respeito a condôminos inadimplentes o Código Civil estabelece que é vedado o direito de votação e de participação a esses moradores. Portanto, impedir o morador de ingressar no recinto da assembleia e assistir aos debates, mesmo sem direito a manifestação e voto, pode ser interpretado por ele como um constrangimento e uma exposição a situação vexatória. Para evitar problemas, aconselha-se que o assunto seja convenientemente tratado na convenção do condomínio e, no caso de impasse, que prevaleça o bom senso do dirigente.

Sobre inadimplência vale lembrar....
O Secovi, em conformidade com a Lei 9.492/97, encaminha a protesto as quotas condominiais de condôminos inadimplentes, como uma forma de prestação de serviço. O protesto é o ato formal e solene pelo qual se prova a inadimplência e o descumprimento de obrigação originada em títulos e outros documentos de dívida. O protesto, por se tratar de um ato legítimo e legal, é perfeitamente possível em condomínio. Porém, ainda assim, em algumas cidades não se aplica o protesto para resolver os problemas da inadimplência.
Fonte: Folha de Londrina
– Enviado usando a Barra de Ferramentas Google"